O futuro das finanças na América Latina e no Caribe

Colômbia propõe open finance voluntário

nov 12, 2021

Por Antony Pinedo
colombia-plantea-open-finance

Diferentemente de outros países da América Latina, lá a adesão ao sistema será voluntária.

 

A Colômbia oficializou seus planos de open finance. Diferentemente de outros países da América Latina, lá a adesão ao sistema será voluntária.

A proposta legislativa – que está aberta para consulta pública – pinta um ambiente favorável às instituições financeiras que desejam compartilhar informações, diz Edwin Zácipa, diretor-executivo da Open Vector Colombia, uma empresa global de finanças abertas.

Mas, ao contrário do projeto chileno, e dos sistemas no México e no Brasil, na Colômbia, será uma adoção voluntária.

O regulador colombiano já havia insinuado que queria evitar posições “draconianas” quando falou à iupana sobre seus planos de lançar um modelo de open banking para o país em 2022.

Zácipa advertiu sobre a necessidade de ser preciso estabelecer padrões tecnológicos para a troca de informações, tais como APIs.

“Se não os definirmos, é provável que, em vez de open finance, teremos um ‘finanças fechadas’, onde cada grupo financeiro ou holding consolida seu próprio padrão. E esse não é o objetivo no final”, conclui ele.

A Unidade de Regulamentação Financeira (URF) receberá comentários sobre a proposta até 24 de novembro.

Você também pode estar interessado em: Aceleração de fusões e aquisições na fintech impulsiona rebundling financeiro

Sigue las tendencia de la banca digital, pagos y fintech de LatAm

Assine nossa newsletter semanal em português para ser o primeiro a saber.

Compartilhar

error: Por favor, respeta nuestro trabajo: La reproducción de nuestros contenidos está estrictamente prohibida.