Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
escuchar_post
amenidad_post
carrera_liderazgo
recursos
web-story
opinion_post

O futuro das finanças na América Latina e no Caribe

dezembro 06, 2021

Finanças incorporadas na América Latina: A chave estará nas alianças

ago 23, 2021

Por Fabiola Seminario

As finanças incorporadas estão começando a decolar na América Latina e representam um impulso da indústria em direção a alianças estratégicas

 

As finanças incorporadas estão começando a dar seus primeiros passos na América Latina e prometem mudar – ainda mais – a face da indústria.

Os especialistas esperam que a prática acelere a criação de alianças entre instituições financeiras, bigtech e fintech para enfrentar a tendência que vem da Ásia, Europa e Estados Unidos, que envolve a criação de um sistema bancário que está disponível em qualquer lugar e a qualquer momento.

“O financiamento embutido vai acelerar toda a colaboração. Agora não será mais quem é o melhor, mas quem são os melhores juntos”, diz José Luis López, CEO da Finerio Connect, uma fintech mexicana que agrega tecnologia para bancos, fintechs e neobanks.

O financiamento incorporado permite que qualquer empresa não financeira incorpore serviços e produtos bancários diretamente em seus canais digitais, como um valor agregado dentro de sua oferta.

Eles apresentam a oportunidade de criar software para múltiplos segmentos do mercado, fornecendo às empresas tudo o que elas precisam, inclusive, ferramentas financeiras. Também originam soluções para grandes empresas de tecnologia que incorporam finanças em suas ofertas ao consumidor, fazendo pagamentos tão simples quanto enviar uma mensagem de texto ou uma nota de voz.

O objetivo final é fornecer produtos e serviços com experiência satisfatória para o usuário e fricção mínima.

“Ainda é muito cedo nesta indústria na região, na verdade, mas acho que vimos uma abertura significativa por parte dos grandes jogadores”, complementa Nick Grassi, coCEO da Finerio.

A oportunidade de parceria permitirá aos participantes se posicionarem para aproveitar a curva de inovação, além dos US$ 7 trilhões que o financiamento integrado deverá representar globalmente até 2030, de acordo com estimativas da Business Insider Intelligence.

Alguns casos ilustram a tendência, como a parceria entre o Google e oito bancos nos EUA para oferecer contas de crédito e poupança aos usuários do Google Pay nos EUA.

Mais perto de casa, temos o crescimento das onipresentes plataformas Rappi e Mercado Livre, que imitam os superaplicativos chineses WeChat e AliPay.

Alimentando a viagem de ponta a ponta

Os bancos têm muitos produtos financeiros tangíveis, mas ainda estão trabalhando para melhorar suas interfaces e tecnologias. Enquanto a fintech e a bigtech, muitas vezes, enfrentam obstáculos na implementação de serviços financeiros, elas também são muito criativas para melhorar o engajamento.

O financiamento integrado oferece a oportunidade para os três principais atores da tecnologia financeira de unir forças para superar seus obstáculos particulares, enquanto oferece soluções eficazes para o consumidor final de uma forma invisível e sem problemas.

Os especialistas prevêem que a Internet das coisas (IoT) se tornará cada vez mais importante, assim como a automação, enquanto os pagamentos digitais e os sistemas financeiros abertos serão as tendências mais evolutivas durante a próxima década, de acordo com uma pesquisa com 125 executivos de fintechs, realizada pela Tribe, um provedor de pagamentos.

Todas estas são tecnologias que sustentarão o “boom” das finanças integradas, concluiu o estudo.

“O futuro da América Latina é assim”. O sistema financeiro aberto permitirá que as fintechs forneçam mais informações, para que possamos tomar melhores decisões e ter mais confiança para testar o crédito. Por outro lado, também ganharemos mais confiança com a população em geral”, prevê Alexander Wieland, cofundador da Aplazo, a empresa mexicana Fintech Buy Now, Pay Later (BNPL).

Finerio diz que eles já observaram como alguns grandes atores estão usando dados abertos para fazer contraofertas de produtos com melhores termos.

“No mundo, há ondas. Estávamos na onda dos websites, na onda fintech, na onda dos bancos abertos, mas a próxima grande onda é a do financiamento embutido, que vai se integrar muito com os bancos abertos”, explicou López.

“Open bankingb por si só é visto como dados e pagamentos, mas, com financiamento embutido, experimentaremos produtos financeiros coordenados”, acrescenta ele.

Os entrevistados também acreditam que a incorporação de serviços favorecerá setores com potencial de crescimento, como os seguros, onde a falta generalizada de tecnologia cria atritos tanto para clientes quanto para seguradoras.

“As pessoas não sabem que valor as empresas [de seguros] oferecem, não entendem porque uma é melhor que a outra, e todas competem no preço”, explica Manuel Gironella, cofundador e CEO da Guros, uma plataforma de gestão de seguros.

Assim, se uma empresa decide integrar ofertas de seguros em sua plataforma – digamos, um aplicativo de transporte que deseja vender seguros a seus motoristas -, ela percebe que as ferramentas para executar o processo não existem, porque as seguradoras não se imergiram no desenvolvimento de serviços web ou APIs.

“No modelo tradicional, e sem a tecnologia que estamos desenvolvendo, o que acontece é que, se uma empresa quer vender seguros, tem que criar um negócio diferente em torno de seguros,” diz.

“O que a tecnologia de seguros integrada permite é exatamente o contrário, que o seguro é parte da experiência do serviço principal ou do produto principal oferecido pela empresa”, acrescenta ele.

Finanças incorporadas como um serviço

O esquema de financiamento embutido pode seguir múltiplos caminhos para a execução.

Pode ser através do modelo fintech como serviço para empresas que buscam soluções tecnológicas financeiras para complementar a experiência de seus usuários, como a Cabify com fintechs como a Lana, que oferece serviços para seus motoristas e outros trabalhadores na economia colaborativa.

Ele também pode ser vestido de banking as a service (BaaS), onde o banco empresta sua infraestrutura e licença para criar soluções para terceiros, como no caso do Rappi e Interbank no Peru, com seu RappiBank.

O recente boom na compra agora paga plataformas posteriores ilustra a expansão das finanças integradas e seu potencial e como elas podem ser executadas de diferentes maneiras. Elas podem se apresentar como fintechs que oferecem pagamentos parcelados sem a necessidade de cartões de crédito, contornando instituições financeiras, ou como bancos que criam extensões de marca para oferecer aos comerciantes facilidades ágeis, gerando ecossistemas completos próprios.

No primeiro caso, encontramos iniciativas como a Aplazo e, no segundo, plataformas como a Cuotéalo, do banco peruano BCP.

Nos Estados Unidos, a Square, plataforma de pagamentos digitais que possui a Cash App, gastou 29 bilhões de dólares para comprar o BNPL fintech Afterpay.

“A mudança da Square com Afterpay há algumas semanas se torna muito interessante e trata-se apenas do início da onda de inovação que virá destas novas finanças embutidas, que podem realmente se tornar concorrência direta aos bancos tradicionais”, diz Wieland, da Aplazo.

“Já vemos os benefícios de ter um BNPL em termos de ingressos e conversão; são parcerias muito fortes. Aqueles que optarem por não adotá-lo imediatamente não se beneficiarão da onda inicial e poderão entrar, mas como uma mercadoria”, diz ele.

As finanças incorporadas têm o potencial de desfocar as linhas que atualmente dividem os agentes do setor, para criar grandes experiências comerciais, financeiras e tecnológicas. E o ruído da nova tendência será sentido nos próximos anos.

“Tivemos muitas conversas com diferentes bancos e instituições financeiras dizendo ‘quando você tiver uma boa oportunidade, nos avise’. Não queremos ser a última instituição a se adaptar a esta mudança, mas o contrário”, disse Eduardo Lozano, sócio da IGNIA Partners, uma empresa de investimento de capital de risco.

Você recebe as newsletters da iupana?

Mantenha-se atualizado com as notícias críticas de negócios sobre banco digital, pagamentos e fintech na América Latina, em sua caixa de entrada às sextas-feiras

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar

error: Por favor, respeta nuestro trabajo: La reproducción de nuestros contenidos está estrictamente prohibida.
Processing...
Thank you! Your subscription has been confirmed. You'll hear from us soon.
Únete a los líderes globales de tecnología financiera que leen iupana
ErrorHere