O futuro das finanças na América Latina e no Caribe

Prevenção de fraudes em foco para pagamentos digitais na América Latina

dez 1, 2022

Por Roberta Prescott

A Mastercard destaca que a América Latina apresenta taxas de fraude muito mais altas do que outras regiões, um desafio que aumenta à medida que o virtual avança com tecnologias como a web3 e o metaverso.

 

Construir confiança é um desafio no mundo digital; e torna-se ainda mais complexo à medida que as finanças abertas e as novas tecnologias, como metaverso ou inteligência artificial (IA), são incluídas no ecossistema financeiro. Injetar segurança nas interações digitais é fundamental e a identidade é cada vez mais crítica para isso.

Chris Reid, vice-presidente executivo de soluções de identidade, cibernética e inteligência da Mastercard, compartilhou que as perdas por fraudes de comércio eletrônico devem exceder US$ 343 bilhões até 2027. Além disso, 75% dos comerciantes sofreram um aumento das fraudes no ano passado. “São US$ 343 bilhões que não estão sendo reinvestidos para melhorar nossas sociedades”, disse ele, ao moderar painel durante o Fórum de Inovação do Mastercard LAC, na última terça-feira (29/11) em Miami.

Os dados provêm de um estudo da Juniper Research, que constatou que as perdas dos comerciantes devido à fraude de pagamentos online em todo o mundo ultrapassarão esse montante entre 2023 e 2027.

Então, acrescentar segurança e confiança, mantendo as transações fáceis, continuará sendo uma questão-chave para o setor de pagamentos nos próximos anos, concluiu o painel, coberto pela iupana. “Estamos tentando impulsionar a economia digital em cada centímetro de interação”, disse Reid, antes de pedir a Ron Hynes, CEO da Vesta, para participar da conversa. A Vesta oferece serviços de prevenção à fraude de pagamentos e anunciou parceria com a Mastercard durante o evento.

“O que está crescendo mais rapidamente do que o comércio eletrônico na América Latina é a fraude no comércio eletrônico”, disse Hynes, acrescentando que, no início da pandemia da Covid-19, a fraude na América Latina era quase 100% maior do que na América do Norte e mais de 200% maior do que a participação da Ásia-Pacífico. De acordo com o CEO, é necessário ficar à frente dos fraudadores, aprender rápido, adaptar-se e seguir em frente.

A Vesta está alavancando dados para criar modelos de aprendizagem automatizados, para fazer uma análise profunda e olhar as transações em tempo real. “A fraude não se trata apenas de perda. Olhamos para milhões de pontos de dados para construir nossos modelos e em uma transação vemos uma gama de dados diferentes, contexto pessoal, de terceiros e comportamental. Estamos constantemente tentando ajudar nossos clientes a perceber que o problema não é apenas fraude”, disse Hynes.

Limitar os riscos e diminuir as chances de rejeitar inadvertidamente transações seguras significa, em última análise, não perder uma venda ou um cliente. O objetivo, portanto, é encontrar um equilíbrio entre segurança, experiência do usuário, receita, lucratividade e tecnologia. “Sou um grande crente que, em algum momento —mas certamente não daqui a dez anos — haverá um mercado além da capacidade de autenticação, o que garantirá quando você tentar obter uma transação”, disse o executivo.

O Fórum de Inovação Mastercard é um evento anual, que reúne os principais atores da indústria financeira na América Latina e no Caribe. Em seu primeiro dia, os painéis se concentraram em novas tecnologias como o metaverso, web3 e IA, destacando suas implicações para o setor.

 

“O metaverso é muito grande para ser ignorado”.

Os desafios da autenticação também estão aumentando à medida que os mundos virtual e físico se fundem. Neste contexto, para Cathy Hackl, chief metaverse officer na Journey, o impacto que a evolução da Internet terá na vida social será maciço. Ela acrescentou disse que as novas tecnologias levarão a repensar os modelos de negócios e a equilibrar seus riscos, desafios e oportunidades potenciais.

Dirigindo-se a uma plateia lotada, ela contou que trabalha com metaverso aplicado a indústrias há dez anos e enfatizou que há oportunidades agora mesmo para aqueles que se dedicam a construí-las. Espera-se que o metaverso mude o conceito de trabalho e ajude a desbloquear a criatividade no desenvolvimento, pois permitirá aos criadores digitais coletar o valor de seu conteúdo, através da tokenização de ativos. Por isso, a comunidade se tornará mais importante do que nunca, segundo a especialista.

O metaverso está sendo habilitado por muitas tecnologias diferentes, tais como realidade virtual, smartphones, computação, inteligência artificial, computação em nuvem, edge computing e 5G. “Não é uma tecnologia e não é uma empresa. O fato de uma das maiores empresas do mundo ter mudado seu nome não significa que se trata de uma única empresa”, ressaltou.

“À medida que avançamos nesta evolução da Internet, você começa a navegar em direção ao que é chamado de Metaverso, que é uma maior convergência de nossas vidas físicas e digitais. Trata-se de experiências virtuais compartilhadas que acontecem em espaços virtuais, mas que também acontecerão no físico.”

Hackl lembrou que os primeiros mundos virtuais estão sendo desenvolvidos atualmente e a maioria é plataformas de jogos centralizadas ou descentralizadas hospedadas em blockchain. “É um momento para que clientes e empresas experimentem e inovem; e isso criará novas viagens de clientes e pontos de contato para compras”, finalizou.

 

Sigue las tendencia de la banca digital, pagos y fintech de LatAm

Assine nossa newsletter semanal em português para ser o primeiro a saber.

Compartilhar