O futuro das finanças na América Latina e no Caribe

Para escalar, os pagamentos digitais devem ser tão fáceis quanto enviar uma mensagem

out 28, 2021

Por Eyanir Chinea
pagos-digitales-para-escalar

O caixa está recuando, mas ainda há muito espaço para as instituições financeiras implementarem soluções intuitivas

 

Para realmente massificar os pagamentos digitais na América Latina, primeiro será necessário simplificá-los, concordaram especialistas do setor na última quinta-feira (21/10).

O uso de dinheiro diminuiu consideravelmente, mas, para fechar a lacuna, a região ainda precisa se concentrar na construção de ecossistemas abrangentes que conectem as transações de pessoas, empresas, instituições e autoridades.

“O que é necessário são produtos simples; tão simples como enviar uma mensagem ”, disse Miguel Díaz Díaz, diretor-geral de sistemas de pagamentos e infraestrutura de mercado do Banco de México (Banxico), durante a sua participação numa masterclass iupana sobre o futuro dos meios de pagamento.

“Estamos em um momento em que a penetração dos smartphones marca uma mudança de paradigma. Podemos alavancar o uso desses telefones para prestar um atendimento muito fácil, para que as pessoas no momento em que os utilizem fiquem presas ”, reiterou.

Para fazer isso,ele sugere que os tomadores de decisão no setor devem se concentrar em três camadas de desenvolvimento: primeiro, melhorar a infraestrutura de rede básica através da qual os pagamentos passam, que deve ser muito poderosa e sólida; segundo, uma camada regulatória firme sobre as instituições que prestam serviços, para construir confiança. E, por fim, estabelecer um piso nivelado de condições para que seja muito fácil integrar-se ao ecossistema, independentemente do porte do provedor de serviço, se é um banco ou uma fintech.

Essa colocação de redes e conexões permitiria, por exemplo, a dispersão de pagamentos por meio de plataformas de mensagens, como WhatsApp ou Telegram. Hoje, você não pode enviar uma mensagem de uma plataforma para outra, nem enviar um pagamento. Mas, se a infraestrutura básica funcionasse com tecnologia agnóstica e aberta, diferentes aplicativos, bancos e até sistemas operacionais poderiam ser conectados.

“O que queremos é que todos possam se integrar”, acrescentou.

Ecossistema de pagamentos integrado

A região fez grandes avanços na emissão de produtos de pagamento, como carteiras, disse Daniel Aguilar, diretor-comercial da Veritran para a América Latina. No entanto, no uso diário, isso esbarra em barreiras.

“O mobile app, a carteira, essa parte está bastante resolvida (…), mas, quando eu saio na rua e com aquele dinheiro virtual, só consigo tirar do caixa eletrônico. Há uma volta para o físico; e é aí que o ecossistema está falhando”, disse.

“Hoje, temos o desafio de como conseguir usar os pagamentos digitais para que se tornem um meio de permuta (…) e nisso o ecossistema faça parte, tanto para o comércio como para as pessoas; torná-lo natural, óbvio, como é o dinheiro “, acrescentou.

Aguilar destacou números de redução no uso de dinheiro em até 60% na Colômbia ou 50% no México, em grande parte devido à pandemia. O desafio é continuar seguindo essa tendência.

Para isso, recomenda que os bancos invistam no melhor conhecimento de seus usuários, sejam eles pessoas físicas ou pequenas e médias empresas, pois, ao serem mais assertivos na oferta de produtos, também irão agilizar seus processos internos, por meio da coleta e processamento de dados.

Ele também destacou que a experiência do usuário (UX, na sigla em inglês) é fundamental, pois os consumidores já estão acostumados com a facilidade do mundo digital.

“O que está chegando agora são os pagamentos biométricos; é algo em que estamos nos aventurando e uma tendência que pode surgir é usar o reconhecimento facial – o que já fazemos para a integração digital – para pagar”, disse.

Você também pode estar interessado em: Bancos e fintechs vão às compras para competir em um mercado cada vez mais aquecido

Mudanças na competição

A evolução dos pagamentos digitais é também um convite às instituições financeiras para mudarem o seu paradigma de concorrência; mesmo que isso signifique minimizar as taxas que cobram pelos pagamentos.

Os bancos, tradicionalmente, usam comissões para monetizar suas operações e cobrir custos, mas as empresas de tecnologia que oferecem transações gratuitas começaram a consumir parte desse mercado. Além disso, as taxas de transação dificultam a expansão dos pagamentos virtuais e, por sua vez, limitam o tamanho do mercado.

As plataformas de pagamento interoperáveis que estão sendo lançadas por bancos centrais como Pix, no Brasil, ou Codi e SPEI, no México, com custos iguais ou próximos a zero, também abrem uma porta para os bancos se integrarem e oferecerem serviços gratuitos aos seus clientes. Díaz anunciou que este ano o SPEI, sistema mexicano de pagamento instantâneo, processará cerca de 2 bilhões de transações, um crescimento próximo a 60% em comparação.

“O importante é usar as informações que o pagamento tem como matéria-prima para produzir serviços financeiros mais avançados. E, se conseguirmos que a indústria veja as coisas dessa forma, obteremos benefícios significativos não apenas em termos de inclusão financeira, mas também na expansão do negócio ”, disse Díaz, lembrando que no México ainda 90% das transações são feitas à vista.

Você também pode estar interessado em: Open banking em aprendizado

Sigue las tendencia de la banca digital, pagos y fintech de LatAm

Assine nossa newsletter semanal em português para ser o primeiro a saber.

Compartilhar