Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
escuchar_post
amenidad_post
carrera_liderazgo
recursos
web-story
opinion_post

O futuro das finanças na América Latina e no Caribe

janeiro 23, 2022

Real Digital avança com foco em pagamentos no varejo

out 20, 2021

Por Roberta Prescott
banco-central-de-brasil-trabaja-en-real-digital

Em estudo pelo Banco Central do Brasil, CBDC brasileira deve permitir dinheiro programável, pagamento entre máquinas e tem objetivo de impulsionar competição e inovação

 

O Brasil está em processo de criação de sua própria moeda digital (CBDC, na sigla em inglÊs). O chamado Real Digital terá como foco os pagamentos de varejo e deve permitir dinheiro programável e pagamento entre máquinas (IoT), conforme falou Fábio Araujo, coordenador dos trabalhos sobre a moeda digital do Banco Central do Brasil, ao participar do MobiFinance 2021.

A moeda digital brasileira visa a viabilizar novos modelos de negócios, aumentar a concorrência e trazer inovação na economia digital. O Real Digital deve se concentrar em aplicações para varejo e operações online, além de melhorar os pagamentos transfronteiriços e reduzir o uso de dinheiro em papel.

“Vemos o Real Digital cada vez mais se apresentando como uma plataforma de pagamentos inteligente. Esperamos que isso possibilite a geração de novos serviços e aumente a base de pessoas atendidas por serviços financeiros ”, disse.

O Real Digital deve ter paridade com o Real existente. “ Idealmente vemos eles como sendo expressão da mesma moeda. Sabemos que têm diferenças de uso e pode haver pressões do mercado para descolar isso, mas entendemos que o BCB tem ferramentas para garantir essa paridade”, comentou.

Não há pressa em lançar o Real Digital. Uma prova de conceito deve ser anunciada em 2022 e projetos pilotos são esperados para 2023. “Não adianta lançar o primeiro CBDC e ficar fora dos padrões internacionais ”, observou Araujo.

O uso de blockchain ainda não está definido. Um dos entraves é a quantidade de transações por minuto. O Pix, por exemplo, faz cerca de 4.000 transações por segundo, atingindo um pico de 6.000/segundo. Segundo Araujo, o Bitcoin, hoje, suporta apenas 30 transações por segundo, devido ao uso do blockchain.

Você também pode estar interessado em: Open banking em aprendizado

Você recebe as newsletters da iupana?

Mantenha-se atualizado com as notícias críticas de negócios sobre banco digital, pagamentos e fintech na América Latina, em sua caixa de entrada às sextas-feiras

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar

error: Por favor, respeta nuestro trabajo: La reproducción de nuestros contenidos está estrictamente prohibida.